A empregada gestante, inclusive doméstica, tem direito à licença-maternidade de 120 dias, sem prejuízo do emprego e do salário. O prazo será ampliado para 180 dias no caso das mães de crianças acometidas por sequelas neurológicas decorrentes de doenças transmitidas pelo aedes aegypt.

Recentemente o ministro Edson Fachin, na Ação Direito de Institucionalidade (ADI) nº 6.327,   decidiu, de forma liminar, que o prazo da licença-maternidade só deve começar a contar após a alta hospitalar da mãe e do recém-nascido, ou a que ocorrer por último, nas situações em que exista algum risco para a vida do feto ou criança e/ou da mãe.

A referida decisão foi concedida em uma ação direta de inconstitucionalidade proposta pelo partido da Solidariedade, e tem como base a garantia materno-infantil de proteção às crianças e ao direito ao convívio e estreitamento de lações com os pais.

A ação requer que os artigos 392, § 1º da CLT e artigo 71 da Lei nº 8.213/91, que determinam que a licença ocorra até 28 dias antes do parto, ou a partir da data de nascimento do bebê, sejam interpretados conforme a Constituição brasileira.

Fachin destaca que, em pese não haja previsão legal para casos em que a mãe e a criança necessitem de uma interação mais longa, não significa ausência de norma, devendo tal omissão ser conformada judicialmente.

Antes da decisão do Supremo, o período de salário-maternidade anterior e posterior ao parto só poderiam ser aumentados apenas mais duas semanas, mediante atestado médico específico.

A licença-maternidade está diretamente ligada ao salário-maternidade, benefício previdenciário, havendo consequentemente duas relações jurídicas conexas.

Mas em que consiste a licença-maternidade?

É o período em que a mulher está prestes a ter um filho, acabou de parir, adotou ou obteve guarda judicial para fins de adoção de criança ou adolescente, e por isso é afastada do trabalho por 120 dias para cuidar e, se for o caso, amamentar o novo membro da família.

Em caso de morte da mãe, é assegurado ao pai empregado o gozo de licença por todo o período da licença-maternidade ou pelo tempo restante a que teria direito a mãe, exceto no caso de falecimento do filho ou de seu abandono.

Já o salário-maternidade é um benefício previdenciário pago à pessoa que fica afastada do trabalho, por motivo de nascimento do filho, aborto não criminoso, adoção ou guarda judicial para fins de adoção, por todo o período da licença.

A recente decisão do Supremo Tribunal Federal adequa a interpretação das leis trabalhistas às garantias de proteção à maternidade, à infância e ao convívio familiar.

Contate-nos para maiores informações no telefone (21) 2531-2202

Newsletter / Cadastre-se para receber!

© LAAC OAB/RJ 29.430/2006 • Site desenvolvido por Avancyber Marketing Digital

ENCONTRE-NOS: